segunda-feira, 19 de março de 2012

Manias do brasileiro (que irritam)…

por Marcelo Moraes

…No transporte público

irritado

Você passa boa parte da vida aprendendo coisas. Algumas você utiliza para o resto da vida, enquanto que outras de vez em quando. Um ensinamento teórico, outro prático, alguns são sutis comentários, outros, exercícios diários em forma de atitudes. Mas e aqueles que você nem se liga que são para usá-los sempre, como lidar?

Eu achava que ser paciente era uma grande virtude, mas parece que até a voz da paciência já não se vê como um ser tão focado em sua função. Ela passou por um processo mutagêntico (mutação ocasionada por “gente”, inventado por minha conta e risco), cuja transformação faz da paciência um desafio constante (em alcançá-la) para nós, ao invés de ocorrer o contrário (o que seria normal em tempos passados), de mantê-la fortalecida à medida que os obstáculos viessem-nos aparecendo.

E o mais engraçado (no sentido bem irônico da coisa), é que não há idade para tal poder mutagêntico acontecer, pois estamos todos conectados no mundo do “tô nem aí”, “to cagando e andando” ou “iPhoda-se o resto”, que a educação formal dos mais velhos já caiu em desuso há um bom tempo e por eles próprios! Repito: por eles próprios!

Quando passei a ter mais uso do metrô, comecei a observar o quanto as muitas pessoas têm o poder de me irritar. Ai senhor, que vontade de gritar! Elas me irritam!! A cena é constante, principalmente nos estabelecimentos comerciais ou no transporte público.

A nossa frota de metrô ainda é insuficiente para atender a demanda da população. Ok. Em São Paulo, principalmente. Ok. Então, o que fazer para amenizar isso? Achar uma solução, claro, ou como dizem os médicos “esta doença não tem cura, mas tem tratamento para mantê-la sob controle”. E o metrô usa da comunicação, da informação, da campanha para CONSCIENTIZAR os usuários de que eles precisam colaborar com as suas atitudes durante o seu transporte pelas estações. E eu tiro o chapéu para o Metrô, pois as campanhas são de cunho geral, atendendo a todas as classes sociais que dele utilizam. Uma linguagem visual e textual simples, direta e necessária. Precisaria de mais?


Praticar a gentileza é pedir muito!

A mensagem é bem clara, mas na mente das pessoas ela fica escura. Bem escura. Você aguarda o trem parar e a porta abir, mas ao aguardar as pessoas saírem, algumas que me cercam já ensaiam os passos para frente, enquanto um tiozinho me empurra e “se joga” para dentro dele juntamente com as pessoas saindo. Nessas horas começo a pensar por que existe o inferno (porque, ou as pessoas chegam lá por mérito próprio, ou são desejadas a serem enviadas para lá). Há tempo suficiente para os de dentro saírem e os de fora entrarem. Mas, caso não dê para entrar, cerca de três minutos depois, chega outro. Assim, não há mortos, feridos e nem mais uma pessoa irritada neste mundo! Simples assim. Ou simples não? :D


Num corredor ou num ringue?


metro_sp_julho2010

A mensagem que ouvimos durante a viagem é categórica: “não fique próximo às portas, utilize o corredor e cuide de suas bolsas e mochilas para não atrapalhar o fluxo das pessoas.” E sempre há um cidadão e uma cidadã que deixa a mochila nas costas para ajudar a atrapalhar a passagem das pessoas. E não se tocam, ou fingem que não se tocam, porque elas usam fones de ouvidos nos mesmos. O que também ocorre no ônibus: aí você empurra, empurra, um toca no outro e parece que você é um zé brigão, pq foi empurrado por uma inanimada mochila que estava atrás de você, e atrás do seu dono! Legal, né? #não


Mas...
 

Para que sair primeiro se você pode ENTRAR primeiro?

trem

Voltando à cena anterior... Nem preciso desenhar: as pessoas se jogam para dentro antes das outras (de dentro), saírem. Por mais que eu veja isso todos os dias e deixe o lado reservado livre para os de dentro saírem, não me acostumo com tal deselegância (para ser singelo na palavra), pois até os idosos, que acredita-se, tenham boa educação, são os que mais ignoram este aviso e partem pra briga, e além disso reclamam! A-VÁ!!! Depois jogam a culpa nos jovens que não têm educação. Será?? No ano passado, um senhor comprou briga com uma pessoa no ônibus para dar lugar a ele, porém ele criou o maior teatro no ônibus e quis porque quis que “aquela” pessoa “daquele” banco saísse de lá. Nem era banco reservado e muito menos ela estava sendo mal educada, ela estava tentando entender o que ocorria, assim como todos que estavam lá, pois o velho surtou e lascou um texto recheado de palavrões. Ele sentou, mas o restante do percurso (até eu sair, GRAÇAS A DEUS!), o homem não parou de reclamar! Precisamos criar escolas de REeducação para idosos URGENTE, porque as faculdades para a terceira idade só servem aos “bonzinhos”, e estes, nunca estão por perto nestas horas.

 

Forçando a “Amizade” e outras coisas mais…


- Existe coisa mais desagradável que estar num lugar e um cidadão ou cidadã chegar do teu lado e puxar conversa do nada como se você estivesse a todo ouvidos? Sim!! Existe! Quando ela chega e começa a reclamar daquilo que você já sabe! Ora, se não vem com a solução, não propague ainda mais o problema como se fosse um saldão de eletrônicos! Se não veio pra resolver, não venha atrapalhar! Só não me venha chamar de “amigo”, que aí eu não me responsabilizo! Coisa chata, né, Paciência?

cobrador- E ficar um tempão esperando o ônibus e quando ele chega, o cidadão que esperou o mesmo tempo que você empaca todo mundo que está entrando, porque ele decide abrir a carteira bem na hora de passar pela catraca. E ainda pergunta: “quanto é?”;

- Entrar às 6 h da manhã e mostrar uma nota de 20 reais ao cobrador como desculpa de que não tem trocado só para não pagar a passagem, pois sabe que a esta hora quase não há trocado no caixa do ônibus;

 

escada livre- Subir pela escada rolante e ficar parado bem do lado esquerdo, justamente porque é o lado que fica(ria) livre para quem não fica estático nela... Isso irrita também?

- Aqueles e aquelas que preferem carregar tudo na mão (porque devem achar “chique”) e ficam fazendo caras e bocas de sacrifício para se segurar no ônibus ou metrô, só para ver se você pega os seus pertences para ele/a fazer bom uso de seu momento passageiro em pé. Isso só não irritaria se eles estivessem com uma mochila. Questão de bom senso, e não de má vontade; E ainda ter que presenciar a cena deles ouvindo música via fone de ouvido com repercussão de alto-falante? Não, isso não irrita ninguém, de forma alguma...

E o que dizer dos assentos preferenciais?

Veja ou REveja o vídeo, mas antes, a descrição postada pelo “autor”:

briga no metrô
Briga de jovem e senhora pelo assento preferencial.

E dos problemas inesperados?



O motivo:

Protesto acaba em confronto no metrô em São Paulo

Manifestação contra o aumento da passagem

Dizem tanto que a educação é a base de tudo, que nos caminha para o bem, que nos direciona a seguir ao progresso, mas como é possível se chegar lá convivendo com pessoas que insistem em fazer o contrário? Que ignoram o que seria de direito seu, de ter a educação a seu favor? O desejo de destruição, de agressão, cenas que nunca saíram dos noticiários e de nenhuma classe social crescem como uma bola de neve, inversamente proporcional aos esforços praticados pela educação, aquela dos bons modos e costumes, que privilegia a atenção e a gentileza; a cooperação e a união... Talvez seja por isso que desejamos que os nossos sonhos nunca se acabem e lembremo-nos do quanto nos são importantes, pois enquanto sonhamos ainda esperamos ver e ter em nossas atitudes, exemplos a serem seguidos e não ignorados.

TelemarketingAgora, se algum atendente de telemarketing te ligar, não brigue com ele, nem desligue o telefone na cara, muito menos use termos de baixo calão, faça o seguinte: deixe-o falando até o final da sua narração e, após as perguntas clássicas, responda: “Não há interesse!”. Se perguntar o motivo: “Não há interesse!”. E se ele for insistente (porque é a sua função) acrescente um “porque” seguido de um “não há interesse!”. A reação será das mais diversas possíveis, mesmo ele sabendo – desde o início – “que esta conversa está sendo gravada para sua maior segurança”... Quer saber o porquê?

A vida é uma escola: se ela “ensina”, a gente aprende!

reclamaAção

3 comentários:

  1. Uma pena que as pessoas que mais precisam ler um texto assim, nunca terão “educação” suficiente para compreender que bom senso é de suma importância para viver em sociedade.

    Semana que vem preciso ir até São Paulo e só de pensar na muvuca que vou encarar no metrô já me dá calafrios.

    Adorei o texto Marcelo, parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos continuar com o tão famoso "muita calma nesta hora!" como mantra, porque como tem sido difícil lidar com ser humano nos dias de hoje. E olha que eu nem sou um santo! rsss Mas adoro andar de metrô, um dos meios de transporte que mais agradeço por existir por aqui rsss Obrigado!! Abraço.

      Excluir
  2. Passando para deixar um carinho e desejar um feliz final de Domingo.
    Venho devagar para não me cansar.
    Os amigos sempre estão dentro do coração..


    Agradecer pela sua presença.
    A amizade é um sentimento sublime, puro e verdadeiro, para possuí-la não é preciso ser rico nem pobre, ter posses ou não. A Amizade é um dom, sentimento nobre que une as pessoas, sinal de confiança integra e recíproca, sem ela não há humanidade, sem ela não há o mundo, pois tudo na vida se origina de uma amizade, mas ela exige um item muito importante, ela tem que ser verdadeira, caso contrário, não há amizade.
    Carinhosamente,
    Sandra

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO